sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

decrescimento

Dizem os homens da Esquerda política que um dos grandes males do Capitalismo é ter que estar sempre em crescimento económico, nem que seja artificialmente. Este crescimento contínuo leva a uma exagerada concentração de capital numa pequena parte da população mundial, gerando pobreza por um lado, e à criação de desperdício, gerando problemas ambientais graves por outro. Um modelo económico tem de poder decrescer a qualquer altura sem gerar problemas sociais. Eu concordo.
Um exemplo muito simples de como isto é verdade vem do nosso próprio consumo. Por causa das grandes superfícies cada vez consumimos mais em menos sítios, isto é, compramos tudo (comida, sapatos, electrónica, roupa, etc) sempre aos mesmos grupos económicos. Ao mesmo tempo consumimos todos cada vez mais desperdício, já que hoje em dia até para comprar um parafuso trazemos uma embalagem de cartão e plástico.
Os capitalistas ou os homens de Direita, como preferirem, estão a ganhar esta batalha ideológica ao mesmo tempo que nos prejudicam a todos, por uma razão muito simples. Descobriram há muito tempo que não têm que satisfazer as necessidades reais das populações mas sim fazerem-nas acreditar que poderão suprir as suas expectativas com o consumo. Todos nós morremos por aí, pela expectativa, tal como uma cobra que se alimenta de si mesma.
O grande erro da Esquerda (e também a sua virtude) é que não cria expectativas em ninguém. Não é criativa mas sim metódica. De tal forma que a maior parte das pessoas não quer nem ouvir falar dela, mesmo que não tenha onde cair morta. O Socialismo é um pão e um copo de água, o Capitalismo é um isco apetitoso mas... sempre preso a um anzol.
O crescimento económico contínuo do Capitalismo tem ainda outra pequena maldade, que é o crescimento especulativo, ou seja, sem produção nem transacção de serviços ou mercadorias. Isto é, põe o dinheiro a fazer dinheiro, seja através do juro dos bancos (em que os bancos emprestam dinheiro que não existe e cobram juros sobre ele), seja através da valorização de produtos financeiros nas bolsas, seja através das acções de empresas. O dinheiro cresce a olhos vistos nas mãos de alguns mas não cresce na Economia real, isto é, cresce um número no computador duma conta bancária qualquer, mas não há mais dinheiro a circular por isso, e os que vivem só desse dinheiro que circula vão ficando mais pobres.
Este é o grande problema que a Esquerda tem que enfrentar. Aquilo que oferece passa necessariamente pela palavra decrescimento, e graças à cultura formada por décadas e décadas de Capitalismo Selvagem a maior parte das pessoas tem medo dessa palavra. Decrescimento significa, no entanto, mais riqueza para todos, mais vida, mais Amor, porque significa também que o Homem deixa de servir a Economia e a Economia é que passa a servir o Homem.
ver site degrowth