terça-feira, 6 de julho de 2010

Diário de Aveiro com nariz de Pinóquio

Após a proposta do Bloco de Esquerda para que a Assembleia Municipal de Aveiro fizesse um voto de saudação pelo fim da discriminação em Portugal no acesso ao casamento civil, o Diário de Aveiro noticiou nos dois dias seguintes que a mesma proposta nem sequer tinha chegado a ser votada. Pior ainda, descreveu ao pormenor o ambiente vivido para que a mesma não chegasse a ser votada.
O problema é que... o Diário de Aveiro mentiu. A proposta foi votada e teve os votos a favor do próprio Bloco de Esquerda, do partido Comunista Português e do Partido Socialista. As bancadas do PSD (com uma abstenção) e do CDS-PP votaram contra.
O péssimo serviço jornalístico prestado pelo Diário de Aveiro aos seus leitores só pode ter duas explicações: ou o jornal é politicamente parcial ou o jornalista em questão é um incompetente. Quero acreditar que é a segunda que está certa, embora estranhe o facto do mesmo jornal ter publicado o comunicado do Bloco que desmentia a notícia na secção do Leitor. O Diário de Aveiro aceita ser desmentido por um leitor mas não aceita ser desmentido pelo partido visado. Bom senso precisa-se...
É verdade que o PSD, em particular o líder da sua bancada Manuel Coimbra, desdobrou-se em esforços para que a votação não se realizasse, o que é elucidativo da sua visão tacanha da democracia. Nesse sentido, a direita forçou uma interrupção da Assembleia Municipal para a realização de uma reunião de líderes de bancada à porta fechada, longe dos olhares de todos. Nessa reunião a sua posição não vingou e mesmo assim, no regresso ao plenário voltaram à carga na tentativa de impedir que a Assembleia Municipal democraticamente se exprimisse, favoravel ou negativamente. Não logrando o seu objectivo, a votação deixou claro que a direita conservadora continua ao lado da discriminação e que a aprovação desta lei foi uma derrota pesada para si e para o Presidente da República.
A direita conservadora aveirense mostrou que, no que respeita aos direitos da população homossexual, gasta todos os seus esforços e tempo a evitar ver-se obrigada a exprimir a sua posição política. Para o BE , fica patente que a direita aveirense tem vergonha de mostrar e defender as suas próprias posições políticas já que apenas as pode justificar com argumentos retrógrados, discriminatórios e homofóbicos.

Sem comentários: