quarta-feira, 17 de março de 2010

não se dispara

Nuno Rodrigues, um rapper de Chelas, foi morto a tiro por um elemento da PSP depois de, alegadamente, não ter parado numa operação stop em Lisboa. Em comunicado, a PSP alega que "o condutor desobedeceu aos sinais regulamentares de paragem" e que depois, durante a perseguição, "foram efectuados disparos de arma de fogo".
Podia estar aqui com pormenores técnicos, por exemplo sobre a incapacidade que um Lancia Y10 tem de fugir a qualquer veículo da polícia, mas não estou. Acho que a coisa é muito mais simples: não se dispara sobre quem não representa um perigo eminente. Qualquer polícia deve saber isso. Se não souber então não pode ser polícia.
Há uma vulgarização da violência do Estado em Portugal que me assusta, e que é sustentada essencialmente pela falsa ideia de que Portugal é um país inseguro e cheio de criminosos. Há uma sobrevalorização da propriedade e dum mesquinho modus vivendi em detrimento do valor da vida.
Portugal não é um país perigoso, mas passa a ser se a polícia começa a disparar sobre quem não pára numa operação stop.

3 comentários:

Paulo Corceiro disse...

O problema é que ser policia em Portugal começa a ser uma verdadeira m*rda! Um tipo foge durante 8km a alta velocidade, bate em vários carros, coloca em perigo peões. No meio desta confusão toda podem acontecer misérias. O que me parece errado é apontar imediatamente as forças da autoridade como um grupo de gajos maus e a pessoa que faz estas coisas como uma vítima.

bagaco amarelo disse...

paulo, eu não acho que as forças de autoridade são um grupo de gajos maus. antes pelo contrário, mas acho que não podem disparar sobre um tipo num Y10 só porque ele não parou numa operação stop. aliás, ele morreu, portanto parece-me mesmo vítima... :)

José disse...

se calhar deviam ter perseguido o tipo do y10 e se o apanhassem sem nenhum acidente pelo meio pedir-lhe desculpa por tê-lo assustado