sexta-feira, 9 de outubro de 2009

discurso do jantar final de campanha / autárquicas 2009


Quero começar por dar uma palavra de apreço a todos aqueles que, não sendo aderentes do Bloco de Esquerda, tiveram a coragem de integrar as listas deste projecto nestas eleições autárquicas. E não são poucos, os independentes que integram essas listas.
Para o Bloco é assim que se faz política: duma forma aberta, junto das pessoas e dos problemas reais da sociedade. Aliás, é também assim que vamos trabalhar na Assembleia Municipal de Aveiro, um órgão político que supostamente deve promover a participação dos cidadãos mas que, sob a presidência da coligação de direita, com a solidariedade do Partido Socialista e do PCP, fechou as portas aos trabalhadores da MoveAveiro quando estes mais precisavam e nela se tentaram manifestar. Como se os políticos fizessem parte de uma elite intocável que não se deve misturar com os cidadãos. Nessa noite apenas o Bloco de Esquerda se manteve do lado de fora da barricada da Assembleia e apenas o Bloco levou a discussão os problemas desses trabalhadores.

Em todas as noites, como nessa noite, é assim que o Bloco vai trabalhar, promovendo e pressionando aquele órgão para uma verdadeira democracia participativa e para um verdadeiro orçamento participativo. Mas a democracia não carece apenas de participação, carece também de propostas verdadeiramente de esquerda que promovam antes de tudo a qualidade de vida das pessoas.

O Bloco de Esquerda não vai desistir nunca da remunicipalização dos transportes e da intermunicipalização dos transportes colectivos de Aveiro, e de lutar pela sua qualidade e pelo seu acesso livre de todos os cidadãos. E sim, para o Bloco acesso livre significa gratuitidade dos transportes públicos. Nem caros, nem baratos. Gratuitos. Porque sabemos que neste momento só utiliza transportes públicos em Aveiro quem não tem mais alternativa nenhuma e, por isso, é obrigado a sofrer todos os dias na inoperância da gestão pública actual.

O Bloco de Esquerda não vai desistir da luta que já começou a travar com os primeiros passos da privatização da água. O princípio é simples: a água é um recurso natural e por isso é de todos. Ninguém tem o direito de nos vender o que já é nosso. A água não é para ser comercializada por um amiguinho qualquer do poder político, a água é para ser gerida pelo Estado e só pelo Estado. Ninguém, mas mesmo ninguém, pode ver o seu acesso à água limitado por razões económicas ou logísticas.

O Bloco de Esquerda não vai desistir de promover o acesso de todos à habitação, à educação, à cultura e a todos os serviços públicos. A habitação não pode ser um mero elemento especulativo que promove o desordenamento urbano e, simultaneamente, a existência de casas vazias e degradadas na mesma rua onde dormem sem abrigos e se constrói descontroladamente. A educação não pode ser uma opção, um negócio ou um mero elemento estatístico. A cultura não se pode resumir à programação duma casa de espectáculos com entradas caras, onde todos os dias e todas as noites as mesmas caras se reconhecem.

E acabo devolvendo a palavra a todos os que participaram nesta grande luta do Bloco de Esquerda. É por isso que estão connosco, é por isso que estamos com vocês. E prometemos que este crescimento recente do Bloco em Aveiro e no país não vai ficar por aqui.

4 comentários:

Miguel disse...

Então?

Como correu?

Abraço

bagaco amarelo disse...

miguel, tendo em conta as dificuldades que o Bloco ainda tem nas autárquicas, pode-se dizer que em Aveiro correu bem. Aumentámos os votos, elegemos mais um deputado municipal e, apesar de termos perdido o deputado da freguesia de Cacia elegemos pela primeira vez deputados em outras três freguesias... :)

Pepo disse...

Caro Ivar Corceiro,

Nao me conhece mas seremos colegas na assembleia municipal recentemente eleita.

Devo-lhe dizer que o que escreve em relação à moveaveiro é ABSOLUTAMENTE falso.

Mau começo para quem se arroga de tanta transparencia e espírito democrático.

A sua posição é tanto injusta para com o PS como para com o PCP.

A verdadeira política, especialmente a de esquerda, desenvolve-se pela positiva, em prol de crescimento efectivo para os Cidadãos.

A política negativa, pelo menos da minha parte, NUNCA terá acolhimento no meu ideário.

Cumprimentos,

Pedro Pires da Rosa
Vogal da Assembleia Municipal do PS

bagaco amarelo disse...

Caro Pedro Pires da Rosa, Por acaso, nessa noite, o BE esteve lá fora com os trabalhadores da MoveAveiro e por acaso o seu camarada e presidente do PS não desmentiu este facto quando o confrontei com ele no debate da Terranova.