sexta-feira, 31 de julho de 2009

assembleia municipal de aveiro

A decisão de eu ser o primeiro da lista candidata do Bloco de Esquerda à Assembleia Municipal de Aveiro não teve a ver, como podem indiciar algumas notícias, com liderança. Teve a ver com disponibilidade para trabalhar. De resto, podem contar com um grupo vasto que não fugirá nunca do programa político socialista do Bloco de Esquerda.

(in) segurança social

Quantos portugueses sabem que a Segurança Social Portuguesa dá lucro?

A Segurança Social Portuguesa acabou o ano de 2005 com lucro de 787,4 milhões de euros, 706 milhões de euros em 2006 e 1147,5 milhões de euros em 2007. Em 2008, apenas nos dez primeiros meses, o lucro já tinha atingido os 1900 milhões de euros. Mesmo assim o governo de Sócrates convenceu o país inteiro de que a redução do apoio social se devia à insustentabilidade da Segurança Social...

já podem pagar o que nos devem...

Apesar da crise, os quatro grandes bancos privados de Portugal, BES, BCP, BPI e Santander Totta, apresentaram no final da primeira metade de 2009 lucros de 760,7 milhões de euros.
No início da mediatização da crise económica actual, e à semelhança do que se passou um pouco por todo o Ocidente, o governo português disponibilizou milhões de euros à banca privada para que esta não fosse à falência. Pelos vistos não foi nem estava previsto que fosse, portanto já pode devolver o dinheiro todo e, já agora, com juros...

domingo, 26 de julho de 2009

é um pássaro, é um avião. não... é a joana amaral dias...

O Partido Socialista passou quatro anos a sofrer uma erosão à sua esquerda e a compensá-la com um crescimento à sua direita. Esta lenta metamorfose do Partido Socialista tem culpados (chamem-lhe autores, se quiserem) e esses são os membros do governo, que deixou primeiro de representar os seus eleitores e depois, com o tempo, deixou de representar o próprio partido (surpresa! no PS há pessoas de esquerda).
A venda da Galp ao Amorim, a colocação de portagens na scuts, a pronta ajuda à banca ao mesmo tempo que se baixou o investimento público e o apoio social ao desemprego, foram as principais questões que tiraram o tapete dos pés de alguns aderentes do partido do Governo.
Agora, e apesar do mau desempenho de Manuela Ferreira Leite à frente do PSD, o seu partido cresceu e alimenta expectativas de vir a ganhar as eleições legislativas deste ano. Da parte do PS chegou à altura da chantagem, da bestialidade do voto útil e da... Joana Amaral Dias.(que, muito bem, recusou um convite para integrar as listas socialistas às eleições legislativas)
Falta saber quanto do eleitorado de esquerda se vai trair a si mesmo mais uma vez...

sábado, 25 de julho de 2009

promessas

Sócrates promete resolver situação dos 25 mil jovens desempregados se ganhar eleições [ler no Público]. E eu pergunto: quem é que está no governo agora? É o Sócrates. Então porque é que não resolve já?

sexta-feira, 24 de julho de 2009

marx para principiantes



Marx para principiantes é um excelente livro de Rius que comete a ousadia de simplificar a vida e a obra de Marx num misto de banda desenhada e prosa. É um trabalho e pêras mas, como o próprio diz, a pior das batalhas é aquela que não nos arriscamos a travar...


título: marx para principiantes
tamanho: 17,2 mb
formato: pdf
língua: português
download no rapidshare

quinta-feira, 23 de julho de 2009

radiohead | no surprises

o desemprego como um falhanço pessoal...

É mentira que os desempregados o são, ou o estão, em determinada altura da vida por incompetência própria. A sensação de que se falhou na vida quando se está desempregado é uma imposição do modelo de produção capitalista que necessita de desempregados como de pão para a boca, e necessita para poder fazer chantagem sobre os que estão empregados.
O papel político dos governos ocidentais tem sido, por isso, manter a taxa de desemprego numa percentagem que permita essa chantagem e que, simultaneamente, evite a revolta social. Portugal, evidentemente, não é excepção e tanto o Partido Socialista como o Partido Social Democrata têm sido fundamentais neste papel.
Este facto, associado à sacralização das palavras "trabalho" e "sofrimento", inseridas na nossa herança judaico-cristã, fazem com que o emprego seja considerado uma dádiva dos empregadores. Não o é. Quem emprega uma pessoa, emprega-a porque precisa dela para trabalhar e retirar daí mais-valia (em Marx, a diferença entre o que se produz e o que se ganha). É portanto estranho que se possa considerar um favor quando alguém emprega alguém... e mais estranho ainda é alguém convencer alguém de que a empregabilidade serve antes de mais para dar dinheiro a quem trabalha...

terça-feira, 21 de julho de 2009

sobre as portagens nas scuts...

mentiroso
adjectivo singular masculino

que ou aquele que mente, que engana.
falso.
aparente.

Quem acreditou nas promessas do Partido Socialista nas eleições legislativas de 2005 acreditará nelas uma segunda vez? Acho que não, incluindo aqueles que nele votarão. A primeira das conclusões óbvias a tirar da colocação de portagens nas scuts por este governo é que o primeiro-ministro mente e, com ele, todos os membros deste governo, já que a promessa de deixar as scuts como estavam foi uma das suas mais importantes bandeiras na campanha eleitoral, concretizada pelo primeiro-ministro numa espécie de "read my lips".
Contudo e infelizmente, o mais grave não é termos um primeiro-ministro mentiroso. O mais grave é termos um primeiro-ministro que não tem a mínima vontade de praticar uma política virada para os serviços públicos e para a acoesão nacional do território. O mais grave, e porque a questão das portagens nunca foi uma questão orçamental, é termos um primeiro-ministro que é capaz de prejudicar milhares e milhares de cidadãos contribuintes para permitir que uns amigos seus (leia-se Grupo Melo ou Brisa) continuem a ganhar dinheiro em negócios sem risco.
As consequências que esta medida do governo terá no tecido empresarial dos distritos envolvidos e consequentemente no seu (des)emprego, a falta de vias públicas alternativas para os automobilistas e a quase inexistência de transportes colectivos em zonas como a de Aveiro, Póvoa do Varzim ou Viana do Castelo também parecem não incomodar minimamente o executivo do Partido Socialista. Partido o quê? Socialista... ... ah!